Lagos Andinos: De Villarica a Puerto Varas de carro

Dia 7 – De Villarica a Puerto Varas

Para seguir até Puerto Varas há duas alternativas: uma mais rápida, pegando a ruta 5 logo na saída de Villarica e outra muito mais bonita, beirando uma parte dos Lagos Andinos. Mas isso, nós descobrimos por acaso. Precisávamos reparar um pneu rasgado, consequência de nossa última aventura em Villarica. Foi então que desviamos para uma pequena cidade fora do eixo turístico, localizada às margens de um belo lago, conhecida como Lican Ray. Na garagem de um chileno, compramos um “novo pneu velho”. Encantados com a beleza do lugar, decidimos seguir por fora da ruta 5, margeando os lagos.

Deixamos Villarica,  rumo ao sul do país. Até Lican Ray, um pequeno balneário banhado pelo Lago Calafquén, são quase 30 km de distância. Paramos para fotos. Seguimos as placas que direcionavam até Panguipulli. A rota é asfaltada e rodeada por paisagens maravilhosas, com montanhas e um verde exuberante. Ao chegar a Panguipulli paramos no lindíssimo lago que leva o mesmo nome; o vulcão nevado (villarica) em uma margem distante completava a paisagem de tirar o nosso fôlego! Este é um balneário um pouco maior que o anterior, e como aquele, é provável que receba muitos chilenos nos meses de verão.

Descobrimos mais tarde que esta região, conhecida como Los Lagos, é onde estão situados os sete lagos que formam a maior a maior bacia hidrográfica do Chile.

Marcamos a ruta 5 em nosso GPS, e facilmente a localizamos na saída da cidade de Los Lagos. Atrasamos a nossa chegada a Puerto Varas por conta desse desvio, mas achamos que valeu muito à pena fazer esse caminho por dentro, especialmente durante o dia!

Lago Panguipulli e Vulcão Villarica com seu cume nevado lá no fundo da foto.

Dirigimos por três horas e meia pela belíssima ruta 5, com seu asfalto perfeito, apreciando florestas de araucárias e alguns córregos  até a entrada para Puerto Varas.  Foram cerca de 200 km percorridos. A uma hora de distância de Puerto Varas, com o sol já se pondo, notamos o imponente e perfeito Vulcão Osorno que parecia se mover junto conosco pela estrada. Era uma vista incrível!  O vulcão parece ser desenhando a mão, de tão perfeito que é o seu contorno em formato de cone.

 

Na estrada rumo a Puerto Varas
Na estrada rumo a Puerto Varas

Atravessando uma ponte na ruta 5. Abaixo um rio...

Chegamos em Puerto Varas e já era quase noite. A cidade é maior e mais urbana do que esperávamos, talvez em comparação à bucólica Pucón e a campesina Chillan. Assim como muitas cidades do sul do Chile, ela é margeada pelo imenso Lago Llanquihue ( o terceiro maior lago da América latina) que tem ao fundo o Vulcão Osorno. Este já não oferece perigo há alguns séculos sendo hoje considerado por alguns como um vulcão adormecido, ao contrário do Vulcão Villarica, um dos mais ativos do Chile.

Puerto Varas

 

Hospedagem em Puerto Varas: um sonho a parte!

Ainda no Brasil nos apaixonamos pela guest house Casa Molino e fizemos nossa reserva pelo Decolar, que quase nos deu uma grande dor de cabeça e por isso não o recomendo. Mas essa confusão eu conto depois.

Já era noite quando procurávamos a tal Casa Molino e descobrimos que na verdade ela não fica bem em Puerto Varas…. é preciso sair da cidade, cruzar a ruta 5 e depois recruzar a mesma ruta 5 até cair em uma estrada de terra e sem iluminação até a beira do Lago Llanquihue. Depois que se descobre que é preciso cruzar a ruta 5 no sentido oposto a Puerto Varas fica fácil chegar lá, basta seguir as plaquinhas! Mas essa hospedagem é só para quem está de carro, nenhum taxista em Puerto Varas pareceu saber de sua existência.

Apesar da sua localização não muito boa para quem não está de carro, a  Casa Molino parece ter saído de um filme romântico. É uma casa de cinema, uma casa de sonhos. Situada literalmente a beira do lago Llanquihue e com uma vista sem igual para o vulcão. Possui poucos quartos e um ambiente muito aconchegante.  A decoração é capa de revista.  Eu poderia passar o resto da minha vida naquele lugar. Por isso, ela vale cada peso chileno! A diária em quarto superior com lareira, varanda para o lago e café da manhã nos custou 150 dólares.

Guest house Casa Molino
Nossa vista na casa molino
Vista do quarto térreo

Leia mais sobre a Ruta 5 no post: De Termas de Chillan a Pucón: um pouco da ruta 5

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s