De Johannesburg ao Kruger Park de carro: pit stop em Hazyview

Quando pensamos em fazer o nosso safári na áfrica do sul, inicialmente imaginamos um safári no Pilanesberg National Park que fica bem mais próximo de Joahnnesburg do que a região onde se localiza o famoso Kruger Park. Nosso plano era reservar um passeio do tipo bate e volta com alguma agência, o que é bastante comum por lá. Existem inúmeras agências e guias que te levam para realizar esse tipo de safári express e enquanto planejávamos esta viagem, essa opção era realmente tentadora pela praticidade aparente, mas no final desistimos devido à relação custo x benefício, sobre a qual falaremos neste post.

Por que não fazer um safári do tipo bate e volta em Joanesburgo?

Em primeiro lugar, quando pensamos em realizar um safári devemos ter em mente que não há garantias de ver qualquer coisa além de mato ( embora seja bastante improvável não ver nenhum bichano) e o mais importante: não há devolução de dinheiro caso você não consiga ver os animais que deseja. Acredito que 99,99% dos turistas que fazem safári estão ali para ver pelo menos um grande felino.

Em segundo lugar, um passeio desse tipo significa passar quase um dia inteiro dentro de um carro atrás dos animais. Não estávamos certos se isso seria realmente uma aventura ou um tédio. Além disso, para fazer um bate e volta desse tipo começaríamos o safári pela metade da manhã e o terminaríamos antes do pôr do sol, ou seja, perderíamos justamente os melhores horários para observação da vida selvagem: o amanhecer e o anoitecer. Logo não era improvável que ticássemos apenas antílopes em  nosso tão sonhado safári na África do Sul.

Por esta razão nos convencemos de que precisávamos fazer mais de um safári nos períodos mais indicados para encontrarmos esses animais ao invés de passar um dia inteiro dentro de um carro atrás deles.

Desistindo do Pilanesberg National Park em 3, 2, 1…

Decididos em nos hospedar na reserva, nos demos conta de que o custo de um pacote no Pilanesberg National Park era quase o mesmo que o custo de um pacote em uma reserva no mesmo padrão, mas no famoso Kruger National Park, local que sempre quis conhecer quando fosse a África.

É claro que no final das contas essa história aqui saiu mais cara que a hospedagem no Pilanesberg, pois naquela região há muito o que fazer e acabamos adicionando mais quatro dias ao roteiro e um bocado de novas aventuras.

Como ir de Joanesburgo ao Kruger Park?

Resolvemos fazer esta rota de carro por duas razões: para percorrer a Panorama Route e apreciar o Blade River Canyon, mas  também para evitar pelo menos um voo em avião tipo teco-teco.

knp_map
Mapa do Kruger e seus acessos, extraído do http://www.sanparks.org.

De avião ao Kruger Park:

Os voos partem diariamente do OR Tambo International Airport em Johannesburg, em horários restritos, e você precisa escolher entre os dois principais aeroportos próximo ao parque : o Hoedspruit Airport (Eastgate Airport), que é na realidade uma minúscula e rústica base aérea ou o Mpumalanga International Airport, que embora também seja pequeno, acredito que se assemelhe mais a um aeroporto “normal”.

A escolha entre um ou outro depende realmente de onde você se hospedará. No nosso caso, o Hoedspruit Airport seria o local mais próximo da reserva que escolhemos ficar, o Kapama Private Game Reserve.

Dirigindo até a área do Kruger Park:

O Kruger National Park fica a pelo menos umas 5 horas de distância de carro de Johannesburg e esse tempo depende muito da região onde você resolver se hospedar ou por qual portão você pretende acessar o parque. O trajeto é bem tranquilo, com boas estradas e belas paisagens do país africano. Existem pedágios que são debitados automaticamente, mas confesso que não recebi qualquer cobrança dos mesmos.

Situado predominantemente nas províncias de Mpumalanga e de Limpopo, o Kruger possui nove portões de acesso para uma área de 19,633 km² de vida selvagem, o  equivalente ao território de Israel.

O Kruger é absurdamente maior que a reserva de Pilanesberg que possui aproximadamente 500 km².

458736_709854002432510_8513723102824461953_o
Deixando Johannesburg pela N4

Onde se hospedar próximo ao Kruger?

Nós escolhemos uma reserva privada na borda do parque muito vendida pelas agências de turismo do Brasil: o Kapama Game Reserve. Mas antes de seguirmos para lá fizemos um pernoite na cidade de Hazyview, uma das localidades com opções de hospedagem boas e econômicas bem próximas a alguns portões do Kruger Park. Se estiver de carro e desejar ficar fora do parque, além de Hazyview, você também pode escolher  se hospedar em White River ou Nelspruit, a capital de Mpumalanga, sendo este último, o local com a melhor infraestrutura, contando com centros comerciais e shopping centers. Mas não se anime muito, quanto mais você subir nesse mapa, mais rural ficará essa região.

Hazyview é uma área praticamente rural com comunidades agrícolas vivendo a poucas distâncias da rua principal R40. Aliás a cidadezinha não chega a ter um centro, mas possui algumas galerias comerciais na via principal e é bem servida de boas hospedagens para um pernoite ou dois a curtíssima distância dos portões do Kruger.

De Joanesburgo à Hazyview de carro, parando nas cavernas Sudwala

Para chegar em Hazyview antes das 15h, saímos de Johannesburg por volta das 9h da manhã, configuramos o GPS e seguimos sem dificuldades pela belas e bem conservadas rodovias – com pedágios que eram debitados em um tag do veículo. Juramos pelo sagrado que até hoje não sabemos se pagamos ou não esse conta!). Dirigimos por quase quatro horas até a nossa primeira parada, um tanto frustrada, para visitar uma caverna:a Sudwala Caves.

Formada há mais de 240 milhões de anos, a caverna de Sudwala  é considerada a caverna mais antiga do mundo. Reza a lenda que a caverna fora habitada pelos nossos pré-históricos ancestrais; por lá foram encontradas ferramentas que datam da idade da pedra. O passeio guiado nos permite descer por 150 metros de profundidade!

Durante estas quatro horas dirigimos pela rodovia N4 desde  Johannesburg em direção a  Nelspruit. Para visitar a caverna, pegamos um desvio pela R539. Tudo muito bem sinalizado em nosso GPS e nos mapas impressos do google. Ao pegar a R539, atravessamos o Sudwala Lodge, nosso principal ponto de referência, e seguimos por um rota ascendente e por estradas estreitas de terra, cercadas por mata. Estávamos em uma serra. Subimos até a entrada da caverna, situada literalmente em uma encosta no alto da montanha.

Apesar do local parecer remoto, há algumas placas indicando a entrada certa a partir da R539. Frequentemente achávamos que estávamos perdidos, pois não havia por ali uma única alma até cruzarmos com os babuínos que atravessaram curiosa e lentamente a via. Fechamos rapidamente os vidros, aguardamos, nos animamos e seguimos em frente. Afinal, estamos na África… pensamos! Quando chegamos lá, o tempo estava muito nebuloso e então não foi possível apreciar aquilo que prometia ser uma bela vista. Paramos o carro no estacionamento onde surpreendentemente estavam vários outros carros de turistas como nós. Ufa!!

Após subir uma íngreme escadaria de frente ao estacionamento, você chega a boca da caverna.  Por lá há um grande deck com coffee e gift shop para você aguardar pelo horário do tour guiado que custa em torno de 90 rands. Infelizmente chegamos por volta das 13:30, minutos após um grupo ter entrado e não poderíamos esperar até a próxima rodada, já que a visita levava em torno de uma hora e tínhamos que estar em Hazyview às 16h para um passeio de elefante. Tomamos um chocolate quente de gosto duvidoso e imaginamos o que as nuvens escondiam lá do alto.

Infelizmente não tenho como fazer uma resenha das cavernas em si, no entanto, me pareceu um bom passeio tanto para adultos como para crianças. Para os pequenos, o  local oferece também um Parque de Dinossauros, que obviamente não exploramos. Além disso a atração está no top 10 do que fazer em Nelspruit segundo o meu amigo tripadvisor.

Frustados por não poder aguardar o tour seguinte, retornamos para a estrada principal, seguindo as placas. Neste momento por algumas vezes nos perdemos pois a região estava em obras e havia muitos desvios, tornando confuso o caminho.

X_3hgaj5c
Principal rodovia em Hazyview .Foto extraída do site: http://www.mccrow.org.uk/

Em muitos momentos perdíamos os sinais dos GPSs e do Waze, até que nos deparamos com grandes portões que davam para um outro portão e que se abriam para uma estrada de terra batida e muito mato: estávamos perdidos na boca do Kruger Park, só que nosso destino ainda não era este!

Demos meia volta, localizamos novamente a R40 e devido a hora fomos direto encontrar “nossos” elefantes no Elephant Whispers, na estrada principal em Hazyview. 

Confere aqui a rota que fizemos de carro com duas paradas: Sudwala Cave e Elephant Whispers

Cidades e aeroportos próximos ao Kruger Park


Continue lendo sobre a Região do Kruger Park:

A rota panorâmica do Blyde River Canyon, nem sempre o tempo está a seu favor.

Doenças na África do Sul : o que precisamos saber

Nossos safáris no Kapama Private Game Reserve |Southern Camp

Nossos safáris no Kapama Private Game Reserve – Parte 2


Já reservou o seu carro para esta viagem?

Recomendamos que utilize o site Rentcars para pesquisar e comparar valores para locação de veículos. Dentre as vantagens em utilizar a Rentcars, está a possibilidade de parcelar a reserva do seu carro em em até 12 vezes sem juros. Faça a sua reserva utilizando nosso banner e ajude a manter este site. Cada reserva feita por aqui gera uma pequena comissão e você não paga nada a mais por isso!😉

rentcars


8 comentários sobre “De Johannesburg ao Kruger Park de carro: pit stop em Hazyview

    1. Olá Talita! Agradecemos a visita!

      Sinceramente vocês têm muito pouco tempo. Não dá para fazer o safári no Kruger, infelizmente. Mas existem safáris nos arredores de Cape Town. Talvez seja interessante.

      Curtir

  1. Olá tudo bem?
    Gostaria de algumas dicas de viagem, vou para a Africa neste mês, vou fazer o Safari no Kruger, porém estou com dificuldade de locomoção, os transfers são muito caros, e não sei como é dirigir por la, se as rodovias são tranquilas, bem sinalizadas, nunca dirigi na mão inglesa.
    Você pode me ajudar ?

    Curtir

    1. Oi Alessandra! Primeiro eu precisava saber de qual cidade você vai sair em direção ao Kruger!
      Não se preocupe com a mão inglesa, na prática é bem mais simples do que parece. Depois das primeiras horas, você se acostuma com a posição das coisas e aí é só ter atenção para andar nas faixas de rolamento corretas.
      Já as estradas, a maioria, as principais, são bem sinalizadas e estão em boas condições. Se você não estiver sozinha, vale se aventurar de carro.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s