Road Trip: mulher, sozinha, no Alasca

 

Faltavam 15 dias para eu embarcar para o meu intercâmbio no Canadá quando decidi que iria escapar para o Alasca, sozinha. Algo inédito em minha vida!

Conhecer a última fronteira sempre esteve nos meus planos, mas o Alasca é longe pacas, como bem disse a atendente da empresa de chip, aqui no Brasil, quando perguntei se teria sinal nos Estados Unidos. Ela disse: “A senhora vai pro Alasca? É… eu não sei se vai pegar porque o Alasca é muito longe né….”.

É… Mas de repente percebi que estando em Vancouver, o Alasca era logo ali.

Planejei essa escapa sem muita antecedência. Saí de Vancouver numa quinta-feira à noite e retornei à meia noite de uma terça – algo que eu não recomendo que você faça, pois o Alasca merece muito mais que 4 dias.

Mas então, para que essa sangria desatada de fugir para o Alasca sozinha e por tão pouco tempo?!!!

Aurora boreal, foi o que eu disse para o oficial da imigração americana para explicar a minha entrada no país.

Depois de tê-la visto de uma forma um tanto frustrante no Canadá no ano passado quando visitei as rochosas canadenses, fiquei meio obcecada por esse fenômeno.

O Alasca é um dos melhores lugares do mundo para ver as luzes e a previsão, apesar da arriscada antecedência com que eu a checava, era de uma atividade muito alta durante o segundo final de semana do meu intercâmbio. Então, meio sem pensar naquela loucura toda que seria viajar sozinha para o Alasca, comprei meus bilhetes para pisar em Fairbanks na madrugada de uma sexta.

Fairbanks é a segunda maior cidade do Alasca. Ela fica no interior do estado, há poucos km de distância do círculo polar ártico. É daquelas cidades onde no verão, por alguns dias, o sol nem se põe.

O fato é que só de pensar em chegar no Alasca à meia noite sozinha, já me dava dor de barriga. Resolvi esquecer, deixar prá lá e focar na minha Aurora Boreal, mesmo não tendo qualquer garantia de que a bicha ia aparecer nas duas únicas noites que eu teria em Fairbanks.

Um fato interessante sobre viajar para o Alasca é que apesar de ser o maior estado dos Estados Unidos, a sua população vive esparsa pelas poucas cidades e vilarejos desse imenso território selvagem. Existem cerca de 740 mil pessoas vivendo por lá e isso não é nada se comparado aos pouco mais de 6 milhões que vivem aqui no Rio de Janeiro. Mas to te falando isso apenas para explicar que as cidades do Alasca não ficam tão pertinho assim umas das outras e isso pode complicar um pouco o roteiro e até assustar os marinheiros de primeira viagem solo, como eu!

Estrada em Fairbanks no começo do outono.

Em algumas cidades do Alasca, sequer se chega por terra. É assim na capital Juneau, por exemplo. O meio mais comum de transporte entre elas são os aviões – inclusive os tipo teco-teco – e o mar. Descobri que existe até uma “rodovia marítima” que conecta algumas cidades por um ferry. Mas eu não tinha tempo para isso, afinal eram apenas 4 dias.

Não apenas me faltava tempo, como também me faltaria dinheiro para fazer os passeios e excursões vendidos no Alasca. Eita lugar caro! A saída foi alugar um carro e rodar por conta própria pelas cidades do meu roteiro que incluíam Fairbanks e Anchorage como base.

Procurando meu hotel em Fairbanks.

O problema é que a distância entre Fairbanks e Anchorage – a maior cidade do Alaska – é de quase oito horas por uma estrada que cruza o Parque Nacional Denali. Cara, eu nunca troquei um pneu, apesar de dirigir diariamente 60 km entre casa e trabalho. Achei realmente que isso seria demais: eu, mulher, sozinha, atravessando por oito horas o Parque Nacional de Denali.  Na hora lembrei que a mulher do chip nem sabia se haveria sinal. E realmente, não havia sinal por longos trechos em que percorri a distância de TREM!

 

O trem mais incrível atravessando o interior do Alaska!
Parque Nacional Denali e a maior montanha da América do Norte: o monte Denali!

Reservei uma passagem de trem e embarquei em uma jornada totalmente nutella de 12 horas pelo parque adentro até chegar em Anchorage para não ter que dirigir sozinha por tantas horas em uma estrada desconhecida. Infelizmente, essas essas coisas acontecem quando se viaja sozinha pela primeira vez por lugares assim. As vezes, a gente paga mais para se sentir segura e ter conforto. Que seja! Concluí que a minha tranquilidade não tinha preço.

A rota entre Fairbanks e Anchorage é bem servida por aviões comerciais e aviões menores. Mas eu tenho pavor de avião a hélice ou avião teco-teco. Quem tiver tempo e não quiser dirigir, dependendo da época, pode fazer a travessia de ônibus com pernoites no Parque.

A viagem no trem panorâmico pela Alaska Railroad foi um passeio e tanto pelo Parque Nacional de Denali, mas a verdade é que se tivesse companhia, teria ido de carro mesmo. Aliás, se eu voltar ,irei de carro mesmo que sozinha, porque se tem uma coisa que eu não senti em momento algum nessa viagem foi medo – nem quando dirigi por mais de uma hora por uma estrada inóspita sem nenhum sinal de GPS e de civilização no trajeto cênico entre Anchorage e Seward – uma minúscula cidade na extremidade do continente, próximo do Golfo do Alaska.

::De Fairbanks a Anchorage no Trem Cênico do Alaska::

 

A pitoresca Seward no extremo oeste, beirando o Golfo do Alaska.

 

Navegar é preciso para ver geleiras e icebergs.

 

É impressionante essa sensação de liberdade e empoderamento que obtive escapando para o Alasca. Dias antes , eu morria de medo de tudo o que estava planejando e, frequentemente, pensava  “Por que estou arrumando sarna para me coçar?” .

Nem pra minha mãe eu contei sobre essa aventura. Avisei quando estava a caminho para o aeroporto, embarcando pro Canadá. A essa altura já tinha até instalado um aplicativo no meu celular para que minha família pudesse rastrear a minha localização enquanto eu estivesse me aventurando no Alasca. Excesso de preocupação? Frescura ? Apenas precaução de quem sabe o que é ser mulher…

Eu nunca tinha viajado sozinha antes, nunca havia dirigido sozinha no exterior, nunca havia estado tão longe de casa; mas acabei me sentindo tão bem e que cacei a Aurora Boreal dirigindo sozinha pela madrugada, em Fairbanks.

::Guia para ver a Aurora Boreal em Fairbanks no Alaska::

 

Aurora Boreal na noite estrelada de Fairbanks! Sonho realizado!

 

Talvez a ausência de seres humanos por toda a parte tenha me trazido a sensação de segurança que me faltava, afinal é do homem que devemos temer. E mesmo as pessoas com quem tive o prazer de conversar sempre foram tão acolhedoras e interessadas que eu verdadeiramente adorei aquele povo e como aquele povo adora o seu paraíso Alasca. Adoram contar histórias sobre como é ver a aurora boreal e como é viver com a maior população de alces “urbanos” do planeta.

Viajar sozinha pelo Alasca me trouxe alguns problemas que eu imagino que qualquer viajante solo tenha:  passeios que exigem o mínimo de duas pessoas e  diárias de hotel bem mais caras. Ainda mais no Alasca, onde quase nada custa menos de 100 dólares!!!

Para economizar e ter autonomia, aluguei carro nas duas principais cidades e fiz praticamente tudo por conta própria. Dirigir me fazia sentir em casa, e também, mais segura.

Apesar disso, as cidades grandes que visitei no Alasca são bem servidas de táxis. Em Anchorage tem até Uber. Os hotéis localizados no centro frequentemente oferecem transfer in e out. E é possível contratar todo tipo de excursão e nunca sentir-se só.

Mas eu queria momentos a sós comigo mesma. Momentos que seriam dirigidos exclusivamente pela minha vontade e por minhas paixões. Parar o carro para fotografar aquela árvore, mudar o itinerário sem dar explicações e curtir um lugar pelo tempo que fosse preciso sem me preocupar se todos estavam na mesma vibe. Conversar com estranhos quando desse vontade e me tornar a estranha quando fosse preciso.

Concluo que uma dose de coragem com uma pitada de prudência, uma mala leve com um bastão de selfie e um chip com internet ilimitada é tudo o que precisamos para uma viagem de sucesso!

::Alaska no verão: mini cruzeiro pelo Parque Nacional Kenai Fjords::

 

Nas colinas de Fairbanks de onde eu veria a Aurora por uma madrugada inteira.
Parque Denali e o Alaska verdadeiramente selvagem!
Geleiras no Kenai Fjords National Park
Glaciais em Portage.. mais um passeio de barco!
Vida selvagem abundante no Alaska!!!!
Black Bear!!!!!

Acompanhe o blog para ler sobre o roteiro completo pelo Alasca com todas as dicas para você ir pra lá tb!!

Até breve!

22 comentários em “Road Trip: mulher, sozinha, no Alasca

  1. Carla
    É a primeira vez que visito seu Blog e cheguei nele exatamente procurando dicas de viagens “solo” para mulheres no Alasca, local onde planejo visitar em Setembro deste ano. Desde que comecei a viajar sem ser uma viagem-família (+/- por volta dos 28anos) praticamente todas as minhas viagens são desacompanhada. E posso dizer que AMO viajar assim.

    Vou segui suas dicas e montar um roteiro bacana pra visitar esse cantinho especial do mundo.

    Parabéns pelo Post e, principalmente pelo Blog ❤

    Curtido por 1 pessoa

  2. Carla, que delicia ler o seu relato!!

    Eu sou completamente apaixonada pelo Alasca, vivi anos sonhando com o dia que ia por meus pés lá… E em agosto/setembro 2016 fui com meu marido passar 20 dias de motorhome, explorando aquele pedaço de mundo que olha… Só de falar já me dá vontade de chorar!! hahahahha

    E que massa que você foi conhecer sozinha!! O que vc disse é exatamente o que a gente sentia.. Zero medo, nos sentimos muito seguros… tanto que muitas vezes a gente parava nas rest areas das estradas pra dormir com o motorhome (e foi numa dessas que vimos a aurora boreal mais linda da viagem, gastando absolutamente nada! hahah) e também paramos em vários campings estaduais que eles tem lá, no meio do mato, sem nada nem ninguem em volta… Sinto falta da paz, do silencio daquele lugar… E sim, volte pra ver o Denali, pra fazer alguma trilha… é possivelmente meu lugar favorito desse mundo e já decidimos que daqui 2 anos, em 2020 voltaremos pra lá!

    🙂

    Te adicionei no insta! Lá eu sou @tripsandroadtrips!

    Beijão!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Que legal que voltará! Eu também pretendo voltar um dia, mas talvez no inverno para ver a paisagem transformada.
      Imagino que fazer esse roteiro de motorhome deva ser maravilhoso, mas sozinha acaba ficando muito caro.

      bjs

      Curtir

  3. Que legal achar este post! Vou para o Alasca no final de Agosto e estou planejando a viagem, então saiba que não é difícil apenas para quem vai solo. Desisti de fazer o trecho Anchorage-Seward (temos tour marítimo reservado lá) de trem porque é caro pra dedéu! Acho que a melhor maneira de viajar para destinos de natureza é o carro, podendo parar ‘pra fotografar aquela árvore’, como você disse. Obrigada por compartilhar suas dicas, abraços

    Curtir

    1. Realmente, o trem é caro, mas a viagem de carro é igualmente fabulosa. O ideal é você pernoitar em Seward para ir parando na estrada na volta. Há muitos pontos de interesse bacanas por ali.

      Curtir

  4. o alasca tb ta nos meus planos! meus amigos foram e acamparam alguns dias, falaram que amaram a viagem e que realmente é uma experiencia dificil mas encantadora! me mandaram algumas fotos e adorei esse parque denali

    Curtir

    1. Hahaha…uma jornada Nutella é aquela em que o perrengue é contornado por um conforto que não combina muito com a experiência mais autêntica. Kkkkk….com muitos elementos afrescalhados …rs

      Curtir

  5. Já pousei uma vez em Anchorage pra abastecer em uma viagem mas não consegui passear por lá. Após esse dia eu inclui o Alaska na minha lista e tenho pensado bastante em um roteiro.

    Vendo que dirigir por horas no parque é bem legal e vendo seu relato, com certeza o Alaska subiu na lista de prioridades.

    Já viajei bastante e comecei um blog com vídeos sobre minhas viagens. Faz uma visitinha por lá e me diz o que acha.

    http://Www.partiucomgrilao.worpress.com

    Curtir

  6. Não é só a distância geográfica, como tanta gente lhe sublinhou, mas o isolamento. Mas eu acho que seria capaz de um impulso desses, porque também sonho com a aurora boreal. No dia que vir uma será um sonho realizado. Parabéns pela ousadia.

    Curtir

  7. Uau, que artigo incrível você escreveu! Adorei saber um pouco mais do Alasca, destino que pra mim era completamente desconhecido. Obrigado por compartilhar e parabéns pela sua coragem de se aventurar por lá sozinha. Abs

    Curtir

  8. Muita coragem você teve, parabéns!!! Realmente, olhando daqui do Brasil “nooossaa que longe”, mas lá no Canadá fica pertinho. E sobre a Aurora Boreal, liiinnndooooo. Sua foto ficou muita boa, fico pensando que qdo eu for vou precisar ter um equipamento bom pra registrar esse momento lindo. P.S.:Tenho um amor muito grande pelo Canada ❤

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s